Repasse da Taxa de Administração de Cartões ao Consumidor Final

  1. Início
  2. Repasse da Taxa de Administração de Cartões ao Consumidor Final

Os cartões de crédito e débito são uma realidade há algum tempo em nosso cotidiano, uma vez que fornecem maior praticidade e segurança nas transações, tanto para os consumidores quanto para os fornecedores de bens e serviços.

Para atrair maior clientela, os estabelecimentos comerciais de diversos tamanhos – desde grandes redes de loja de varejo até vendedores ambulantes -, estão se adaptando para oferecer essa comodidade.

Contudo, em não raras ocasiões, ao realizar o pagamento, somos surpreendidos com a informação de que, em caso de pagamento através de cartão de débito e/ou crédito, haverá um acréscimo em um percentual que varia entre 2,5% e 5% sobre o valor da compra. Para piorar, quando questionados, respondem, sem meias palavras, que se trata da “taxa de cartão”.

Aos desavisados, saibam que essa cobrança é ilegal! Assim, explicamos um pouco mais sobre essa prática que, cada dia mais, é difundida.

Quando da disponibilização da forma de pagamento em cartão, o estabelecimento pactua, junto à operadora do cartão ou banco, as condições de utilização e, juntamente com ela, o estabelecimento deve pagar um percentual ou taxa sobre a operação realizada. Desse modo, ao tentar repassar o pagamento de tal valor ao consumidor final, o comerciante estaria aumentando seu lucro. E isso, nada mais é, o risco do negócio ao qual todo empresário está submetido. Vale ressaltar que o consumidor já arca com o ônus do pagamento da anuidade e demais cobranças acessórias proveniente de seu contrato junto à operadora de cartão.

Tendo em vista esses fatos, nos deparamos com nítida ofensa aos artigos 30, 39, incisos V e X e 51 do Código de Defesa do Consumidor, ao passo que o comerciante altera, de forma infundada, o preço final do produto e aufere vantagem indevida sobre o consumidor.

Para sedimentar essa questão de forma mais pontual, o Ministério da Fazenda, através da portaria 118/94, regulou:

Artigo 1º Dispensar a obrigatoriedade da expressão de valores em cruzeiro real nas faturas, duplicatas e carnês emitidos por estabelecimentos industriais, comerciais e de prestação de serviços, representativos de suas vendas a prazo, inclusive para serem liquidados com prazo inferior a trinta dias, observado o seguinte: (…)

I – não poderá haver diferença de preços entre transações efetuadas com o uso do cartão de crédito e as que são em cheque ou dinheiro; e, (…)

Nessa mesma linha o Ministério da Justiça editou a Resolução 34/89 do CNDC:

(…) RESOLVE: Considerar irregular todo acréscimo ao preço de mercadoria nas compras feitas com cartão de crédito (…).

Com a luz em tais fatos, recomendamos toda a atenção na hora de realizar pagamentos com cartão e, em caso de tentativa de repassa da taxa pelo comerciante, confronte-o, alegando que trata-se de uma prática ilegal, pois apenas com a negativa e com a correta denúncia – nos valendo das delegacias do consumidor, Procon e Ministério Público -, conseguiremos ilidir tal abuso.

Dr. Henrique Gobbi

Diretor de Expansão do grupo Souza Novaes Soluções Jurídicas

Menu

Não perca nada!

Receba notificações de novos artigos do Juris direto no seu email!

sair
Não perca nada!